Espaço confinado: conhecer as normas para adentrar com segurança

Por redação do Instituto Treni

A melhor ferramenta para a prevenção contra acidentes de trabalho é a informação. Por meio de treinamentos, os trabalhadores que atuam em inúmeros setores de risco devem receber capacitação e conhecimento sobre os procedimentos de segurança.

Há um segmento, em especial, que expõe os empregados a riscos extremamente graves. Trata-se dos espaços confinados, que são ambientes como silos, valas, casa de bombas e contêineres, por exemplo.  Esses locais apresentam limitações de entrada e saída, não contam com ventilação e onde estão presentes gases tóxicos. Devido à imposição de prevenção, o Ministério do Trabalho publicou a norma regulamentadora 33, que aborda os requisitos de segurança para quem labora em espaços confinados. Um dos pontos mais importantes da NR 33 é justamente sobre o plano de treinamento que a empresa deve preparar para habilitar tecnicamente o empregado que adentra um local inóspito e arriscado como um espaço delimitado.

Um dos tópicos mais relevantes em termos de informação ao trabalhador é a necessidade de utilização de Equipamentos de Proteção Coletiva (EPCs), Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e equipamentos de proteção respiratória e de resgate. Um trabalhador bem treinado é capaz de compreender, por exemplo, que o aparelho de detector de gases para ser usado em serviço não é um EPI, ainda que possa ser utilizado de forma individual, mas um EPC. Esse aparelho faz a leitura dos gases nocivos antes de os trabalhadores adentrarem no espaço confinado. Portanto, sua função é coletiva, pois permite que se conheçam as condições atmosféricas do local em que vários empregados entrarão para exercer suas atividades.

Assim, em espaços confinados, a opção pela informação como ferramenta de prevenção, além de ter um caráter obrigatório, também dá suporte às empresas fazerem uma gestão de SST adequada, focada na integridade física do empregado.

 

Leave a Comment